Indígenas mulheres lideraram ações por liberdade na Amazônia colonial, aponta estudo

Mesmo com a Lei de Liberdade dos Índios, estabelecida em 1755, grande parcela da população era escravizada ilegalmente.

Foto: Fabio Mendes Teixeira

Em 1755, foi introduzida a Lei de Liberdade dos Índios no Brasil, que proibiu a escravização indígena — principal mão de obra da Amazônia colonial do século 18. Contudo, a criação da legislação não significou o fim do trabalho escravo: a prática continuou em cativeiros ilegais por muito tempo, tanto por falta de fiscalização quanto por falta de interesse social com essa parcela da população.

Foi assim que, de acordo com os historiadores, surgiu a luta indígena pela liberdade. O indígena denunciava seu "patrão" para o tribunal da Junta das Missões, criado pelos portugueses, e o proprietário de escravos era convocado a apresentar o certificado que comprovasse a legalidade de seus atos. Caso o documento não existisse ou fosse constatada sua falsidade, o tribunal verificava a ilegalidade da escravidão e concedia a liberdade ao indígena.

FOTO: Fabio Mendes Teixeira

Segundo Luma Ribeiro Prado, mestranda de História Social da Universide de São Paulo (USP), isso foi o que aconteceu na maior parte dos casos. "As mulheres e os homens indígenas que consideraram a via institucional como forma interessante de oposição ao cativeiro – dentre outras estratégias como fugas e revoltas – aderiram a ela transformando-se nos litigantes", diz ela em entrevista à GALILEU. 

De acordo com os estudos de Prado, existiu uma notável predominância das mulheres nas ações pela liberdade. A pesquisadora analisou os 184 registros disponíveis de demandas por liberdade na época. Dessas, 75% dos escravizados em litígio eram mulheres ou seus descendentes — sendo que 53% das ações foram encabeçadas por mulheres.

Luta por direitos Prado também percebeu a falta de direitos da população indígena em grande parte da história do Brasil. Segundo sua análise, a defasagem só foi reconhecida e superada na recente Costituição de 1988. "Há apenas 30 anos os indígenas que habitam o Brasil foram reconhecidos, em lei, como sujeitos de direito, hábeis para entrar em juízo por conta própria", informa.

FOTO: Luan Palmieri

A luta dos indígenas pela liberdade, contudo, não foi comum. "Apesar da pesquisa ter revelado um número maior de litigantes, se situarmos esse grupo no universo populacional de trabalhadores escravizados na Amazônia de colonização portuguesa, verificaremos que uma quantidade ínfima de indígenas acessou os tribunais", apontou a historiadora. De acordo com seu estudo, existem apenas registros de cerca de 350 litigantes ao longo de 70 anos (1714-1774), entre dezenas de milhares escravizados.

Prado acredita que suas descobertas são importantes para ressaltar a existência do indígena também como sujeito político. "Considero importante termos conhecimento de que, desde o período colonial, mulheres e homens indígenas agiram de acordo com seus interesses, procurando dialogar ou se contrapor de variadas formas aos não-indígenas e às situações, geralmente desfavoráveis, que lhes eram apresentadas", declara. 

A especialista espera que sua pesquisa contribua para a quebra de estereótipos atribuídos aos indígenas "como os de que seriam preguiçosos, pouco afeitos ao trabalho e incapazes", por exemplo. Além disso, ela acredita que conhecer a trajetória dos indígenas escravizados que conseguiram melhorar suas condições pode estimular o engajamento contra a precarização do trabalho e a exploração da mão de obra ainda existentes. 

Nos Ajude a manter o Coletivo UNI e todas as suas frentes, estamos com um CROWDFUNDING aberto por 30 dias para nos ajudar com as despesas da viagem para cobrir o ATL 2019

Comprando algum produto da nossa LOJA ou contribuindo para nossas causas através da nossa ASSINATURA você nos ajuda a manter viva a nossa luta para informar, discutir e incentivar assuntos artísticos, políticos, sociais e ambientais!

FONTE: https://revistagalileu.globo.com/Sociedade/noticia/2019/05/indigenas-mulheres-lideraram-acoes-por-liberdade-na-amazonia-colonial-aponta-estudo.html

INSCREVA-SE

 Se inscrevendo você recebe todas as principais notícias do mundo e se mantem sempre atualizado sobre os assuntos que trazemos, envolvendo arte, cultura, política, ambientalismo e muito mais..

Além de apoiar as causas e ficar por dentro do que mais te agrada, você recebe benefícios e materiais exclusivos para assinantes!

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

MENU 

© 2023 by FEEDs & GRIDs. Proudly created with Wix.com

 COLETIVO UNI 06.164.348/0001-09 Endereço: R. Basílio de Magalhães, 85 - Taquaral, Campinas - SP, 13088-010 -

Tempo estimado de entrega: 7 dias

Email: Coletivouni1@gmail.com

Telefone: 19 984495555 

O Serviço e todos os materiais nele contidos ou transferidos, incluindo, sem limitação, software, imagens, textos, gráficos, logotipos, patentes, marcas registradas, marcas de serviço, direitos autorais, fotografias, áudio, vídeos, música e todos os Direitos de Propriedade Intelectual relacionados a eles são a propriedade exclusiva do Coletivo UNI. Exceto conforme explicitamente fornecido neste documento, nada nestes Termos deverá ser considerado como uma licença em ou sob tais Direitos de Propriedade Intelectual, e você concorda em não vender, licenciar, alugar, modificar, distribuir, copiar, reproduzir, transmitir, exibir publicamente, realizar publicamente, publicar, adaptar, editar ou criar trabalhos derivados.