Governo liberou 152 novos agrotóxicos em 3 meses

Desde 2008, o Brasil é o maior mercado mundial de agrotóxicos, de acordo com a Associação Brasileira de Saúde Coletiva.


A nova lista trouxe, até agora, a maior quantidade de pesticidas classe I, o grau mais elevado de risco toxicológico, segundo classificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)

No dia 10 de Abril, ao completar 100 dias desde que o novo governo assumiu, foram autorizados mais 31 tipos de agrotóxicos, completando a lista que já era de 121 desde o começo do mandato.

Quase um terço dos ingredientes permitidos no Brasil são proibidos na União Europeia, aponta à AFP Larissa Mies Bombardi, pesquisadora do Departamento de Geografia da Universidade de São Paulo.


“A maioria das empresas que vendem esses produtos tem as sedes delas em países da União Europeia e exporta produtos proibidos lá para mercados mais permissivos, como o Brasil”, ressalta.

Dentre os 31 produtos liberados, 16 são classificados como “extremamente tóxicos”. Mais da metade da nova listagem. Considerando todos os produtos autorizados no ano, 44 são de classe I.

Isso contraria declaração dada pela ex-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), de que o governo trabalha pela substituição progressiva dos pesticidas mais perigosos por aqueles considerados menos tóxicos:

“Nós temos que mudar a legislação para que os produtos de baixa toxicidade tenham seu registro facilitado e possam chegar mais rápido ao mercado”.

Dos 152 agrotóxicos liberados nos primeiros cem dias do ano, apenas 18 foram classificados pela Anvisa como “pouco tóxicos”.

A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, defendeu numa audiência na Câmara dos Deputados na terça-feira os critérios usados para liberação de defensivos agrícolas. Durante o debate que durou cinco horas, ela afirmou que há uma desinformação sobre o tema e disse que intoxicações são causadas pelo uso incorreto de pesticidas.

"Os pequenos produtores não têm essa capacitação feita para que eles tenham o cuidado e apliquem com roupas apropriadas, equipamentos apropriados, façam lavagem do equipamento e não fumem. Às vezes o sujeito fuma aplicando, e no cigarro ele acaba ingerindo o produto químico que ele está utilizando na aplicação do solo", alegou Tereza Cristina.

A ministra, que presidiu a Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA) e foi apelida no Congresso de "Musa do Veneno" por defender quando foi deputada federal leis para a flexibilização das regras para a fiscalização e aplicação de agrotóxicos no país, usou ainda o termo "remédios para plantas" ao falar de agrotóxicos.


Em um único alimento, ingerimos diversos agrotóxicos diferentes.Além disso, ingerimos diariamente e durante a vida inteira.

AGROTÓXICOS E O RISCO PARA A SAÚDE:

Agrotóxicos estão em frutas, verduras, carnes, leite, bebidas, produtos industrializados e em quase tudo que compramos nos supermercados. O Brasil já é o maior consumidor de agrotóxicos do mundo: todo ano, consumimos o equivalente a mais de 7 litros de agrotóxicos por pessoa. Em alguns estados, como o Paraná, o índice é pior: chega a 8,7 litros de agrotóxicos por pessoa.

Pesquisas desenvolvidas por órgãos como a Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e Ministério da Saúde – Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ) apontam aquilo que muitos agricultores já perceberam: agrotóxicos podem causar diversas doenças. Entre elas, problemas neurológicos, motores e mentais, distúrbios de comportamento, problemas na produção de hormônios sexuais, infertilidade, puberdade precoce, má formação fetal, aborto, doença de Parkinson, endometriose, atrofia dos testículos e câncer de diversos tipos.

O Dossiê Abrasco, publicado em 2015 pela Abrasco, Fiocruz e outros órgãos de pesquisa, aponta que, muito além da alimentação, consumimos agrotóxicos, pesticidas e adubos químicos por vias nem imaginadas. Agrotóxicos contaminam o solo, as águas de chuvas e lençóis freáticos e até mesmo o leite materno.

Nosso organismo não tem a capacidade de eliminar muitos dos elementos químicos, que vão se acumulando no corpo ao longo dos anos. Essa exposição contínua tem efeitos tão graves que nem mesmo a ciência sabe a dimensão do estrago que pode causar na saúde.


Nos Ajude a manter o Coletivo UNI e todas as suas frentes.

Comprando algum produto da nossa LOJA ou contribuindo para nossas causas através da nossa ASSINATURA você nos ajuda a manter viva a nossa luta para informar, discutir e incentivar assuntos artísticos, políticos, sociais e ambientais!

0 comentário

INSCREVA-SE

 Se inscrevendo você recebe todas as principais notícias do mundo e se mantem sempre atualizado sobre os assuntos que trazemos, envolvendo arte, cultura, política, ambientalismo e muito mais..

Além de apoiar as causas e ficar por dentro do que mais te agrada, você recebe benefícios e materiais exclusivos para assinantes!

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

MENU 

© 2023 by FEEDs & GRIDs. Proudly created with Wix.com

 COLETIVO UNI 06.164.348/0001-09 Endereço: R. Basílio de Magalhães, 85 - Taquaral, Campinas - SP, 13088-010 -

Tempo estimado de entrega: 7 dias

Email: Coletivouni1@gmail.com

Telefone: 19 984495555 

O Serviço e todos os materiais nele contidos ou transferidos, incluindo, sem limitação, software, imagens, textos, gráficos, logotipos, patentes, marcas registradas, marcas de serviço, direitos autorais, fotografias, áudio, vídeos, música e todos os Direitos de Propriedade Intelectual relacionados a eles são a propriedade exclusiva do Coletivo UNI. Exceto conforme explicitamente fornecido neste documento, nada nestes Termos deverá ser considerado como uma licença em ou sob tais Direitos de Propriedade Intelectual, e você concorda em não vender, licenciar, alugar, modificar, distribuir, copiar, reproduzir, transmitir, exibir publicamente, realizar publicamente, publicar, adaptar, editar ou criar trabalhos derivados.